terça-feira, 24 de agosto de 2010

"A FORÇA ESTÁ COM VOCÊ!"

Nos últimos tempos tenho feito coisas diferentes. Deixei meu blog meio esquecido. Mas eu sempre retorno, porque esse espaço aqui para mim é como se fosse uma "Cápsula do Tempo", a tal "Time Capsule" da Apple me inspira a isso!

O "Tsunami" da moda as vezes deixa a gente meio "out" do mundo real. A moda a qual me refiro é a do Twitter. O mundo inteiro está ligado nisso, apesar de aqui no Brasil ainda ter muita gente que nem sabe pra que direção ir naquele espaço virtual.

Certa vez, logo quando conheci o Twitter (1 ano atrás, talvez...), li uma matéria que falava sobre como usar essa poderosa ferramenta de relacionamento.
Entre outras coisas que a utilíssima matéria me ensinava naquele momento, uma frase me chamou atenção. "Use com sabedoria!"
Mas isso é muito vago!!! Como assim usar com sabedoria????

Assim como a frase dita para Luck Skywalker em Starwars, aquilo ficou em minha cabeça tal qual "A Força está com Você"!
Acho que é pouco provável que eu venha obter o conhecimento de como usar o meu twitter com sabedoria, pois o ser-humano é altamente passível de erros, mas também tem a capacidade de aprender com estes. Acho pouco provável também que eu consiga usar qualquer ferramenta com sabedoria, pois sabedoria para mim é algo inatingível. Algo que só os monges Tibetanos ou os Homens do campo passem perto.

Mas desenvolvi uma teoria para ficar nesse caminho e não me desviar da busca.
Talvez usar a sabedoria seja respeitar os limites dos seus amigos de rede social, assim como no mundo real.
Voltemos então àquela velha frase do profeta: "Amai o teu próximo como a ti mesmo". Mas será que é possível uma interpretação mais profunda dessa sentença?

Na minha cabeça Amar o próximo como a si mesmo, é não fazer ao próximo o que você não gostaria que fizessem a você... sacou???
Partindo desse princípio, concluí que, de fato existem várias interpretações para usar certas ferramentas como a palavra, com a tão falada sabedoria.
A palavra pode ser tão dolorosa quanto um tapa na cara! A palavra pode fazer pessoas se sentirem mal e ridicularizadas. Maaaas, meu caro leeeeeitoooor, a palavra também pode ser um instrumento de edificação, de informação, de enaltecimento a alguém que você admira! E por que não usá-la desta forma? Porque não, gastar um pouco do seu tempo fazendo alguém que o lê, que o assiste ou o escuta um pouco mais feliz?
Para mim, saber que alguém leu e conferiu um link do youtube lançado no Twitter com o objetivo de compartilhar uma música, ou um filme interessante, é infinitamente mais prazeroso do que denegrir a imagem de alguém com quem não me identifico. Para mim receber comentários empolgados sobre alguma dica de música ou de arte é muito mais gratificante! Me deixa muito mais feliz, saber que pude compartilhar com milhões de pessoas, algo positivo e que vai acrescentar na vida de alguém.

Assim como um filme, uma música ou um perfume marca a sua vida, um comentário infeliz pode desencorajar ou até frustar alguém.
É óbvio que vai haver sempre quem diga: "Tem que tomar porrada pra a prender a deixar de ser sem noção!" Mas quer saber de uma coisa? O conceito de sabedoria é muito subjetivo! Não dá pra saber se VOCÊ é a pessoa mais sensata do mundo ou se tem a verdade nas mãos! Então, o melhor a fazer é seguir em frente, respeitando a velha máxima: "Faça para os outros o que gostaria que fizessem com você!" Aqui deste lado do monitor, seguirei tentando encontrar esse poder abstrato que tanto nos atormenta e que nos faz pensar em sermos seres-humanos melhores... A velha e tão sonhada SABEDORIA!

Uma excelente semana a todos!

Um comentário:

Bruno Rhavani {Distância, não é desculpas: é a preguiça de quem não comparecer, caso não seja falta de grana. | Visitem meu blog clicando aqui.}(Moro em Carpina/PE, mas sou de Fortaleza/CE.) disse...

Um belo recado, Alvinho. Pior que todas essas ferramentas virtuais que usamos, é perigosa.

Temos que ter muito cuidado para não comentarmos algo que possam nos voltar futuramente contra nós. mesmo que estejamos certos daquilo com o que pensamos.

Mas só que as vezes, o nosso certo é o errado para o outro, e virse-versa. Aí, já viu no estrago que pode acontecer, depedendo da interpretação alheia.